Missionários em Altamira – PA

Projeto Asurini do Xingu

Tradução – O trabalho de tradução compõe-se de algumas etapas até que o texto seja aprovado através de uma consultoria oficial. As etapas vão desde a exegese do texto que será traduzido a várias leituras para pessoas diferentes para garantir o bom entendimento do texto que deve ser claro e fluente na língua. As etapas finais são a retro-tradução – passar o texto da língua para o português conservando a forma de comunicação da língua e a consultoria para a aprovação do texto que estará liberado para publicação. Temos trabalhado nos livros de Atos, Gênesis. Já fizemos algumas leituras do livro de Atos e vamos prepara-lo para a consultoria ainda neste ano. O livro de Gênesis está ainda no primeiro rascunho e começamos a fazer as primeiras leituras. Nossa estratégia em traduzir o livro de Atos é oferecer aos irmãos asurini um entendimento do funcionamento da igreja recém-nascida de Atos para que junto ao Evangelho de Lucas (já traduzido para a língua) possam ter base para o conhecimento de Jesus e de sua igreja e assim terem a direção do Espírito Santo para a implantação do Reino de Deus entre o povo asurini. Quanto ao livro de Gênesis é ajustar o entendimento da nossa origem, pecado e separação do homem do Deus criador. O trabalho de tradução é um trabalho lento, minucioso, mas muito gratificante. A Palavra de Deus nunca volta vazia, ela sempre se renova e nos envolve da presença divina e inspiração do Espírito Santo, nossos auxiliares de tradução experimentam o poder de Deus e pedem para que Jesus “conserte suas cabeças e a cabeça de seus filhos”.

Educação – Quando chegamos à aldeia Kwatinema em 1989, os asurini não tinham alfabeto de sua língua, era apenas usada oralmente. Nós participamos da elaboração da primeira proposta ortográfica para a língua e o início da alfabetização de jovens e adultos. Em 2015 tivemos a grata alegria de ver alguns jovens asurini ingressaram na Universidade Federal do Pará para o curso em Etnodesenvolvimento. Eles são professores da língua materna em suas aldeias. Em fevereiro do ano passado estivemos na aldeia para a reformulação e oficialização da ortografia asurini, pois haviam duas propostas de ortografia e a própria comunidade nos solicitou que organizássemos uma oficina para esse fim. Depois de uma semana de trabalho em fim consolidamos e oficializamos a ortografia asurini. No mês de agosto dois jovens, professores representantes de duas aldeias, foram para Brasília para participarem de um treinamento de alfabetização utilizando o método COMALFA. Eles expressaram a alegria de estarem se preparando para melhor servir sua comunidade, e principalmente expressaram o desejo de terem uma formação mais profunda em Teologia para auxiliarem a tradução da Palavra de Deus para sua língua.

A igreja indígena. Quando estávamos na aldeia durante a Oficina de Formalização da Ortografia Asurini, o miss. Oseas foi procurado por uma indígena chamada Tiku Asurini, ela queria que seus filhos fossem batizados, ele explicou que seus filhos só poderiam ser batizados quando pudessem decidir a respeito de Jesus, e ela então disse: Então, só pode se batizar quem pode decidir se quer seguir Jesus? O missionário afirmou que sim, ao que ela respondeu: Sim, eu quero me batizar, eu quero seguir a Jesus. Em um outro momento o chefe da aldeia Kwatinema, procurou o missionário perguntando como se faz para construir uma igreja, para que a Palavra de Deus fosse ensinada para o seu povo, ao que o miss. Oseas respondeu que essa iniciativa deveria partir deles, por causa da situação delicada politicamente com o governo e antropólogos, então ele disse que ia providenciar a construção. Estamos aguardando para que os próprios asurini deem inicio a construção da Janeruwete Raka – Casa de Deus. Uma atividade que temos nos dedicado são aulas de violão e a fazer algumas versões de alguns corinhos para a língua asurini, eles tem se dedicado a aprender e alguns corinhos de louvor já podem ser cantados na língua materna dos Asurini do Xingu.

Culto Indígena – Quando estamos na cidade de Altamira, realizamos cultos na cidade para indígenas de várias etnias que permanecem na cidade para tratamento de saúde e compras. A princípio iniciou como uma célula em nossa casa, depois passamos a realizar na igreja Batista Independente de Altamira, e agora recentemente, com a mudança da casa de saúde indígena para um lugar retirado da cidade, realizamos o culto na casa de saúde. Quando não estamos em Altamira, damos apoio a distancia a equipe que se dedica na realização do culto.

Base ALEM

Aulas – A missão ALEM – Associação Linguística Evangélica Missionária, com sede em Brasília, oferece o CLM – Curso de Linguística e Missiologia cujo objetivo é preparar missionários que irão trabalhar em um campo transcultural nas áreas de tradução da Escrituras Sagradas e em alfabetização na língua materna. O Pr, Oseas tem ministrado nos últimos anos as disciplinas de Antropologia Cultural e Antropologia da Religião, a miss. Heliana Silva ministra o curso de Educação Intercultural – Filosofia e Métodos de Alfabetização. Além do curso em Brasília, há um módulo que é realizado em uma ilha no Pará, é o Acampamento de Treinamento Transcultural na Selva, que ocorre nos meses de outrubro e novembro, nós fazemos parte da equipe de instrutores.

Mobilização – A miss. Heliana é responsável pelo departamento de Mobilização da missão ALEM e dedica-se a levar o desafio às igrejas quanto a necessidade tradução da Bíblia aos povos que ainda não a possuem. Temos realizado algumas viagens e participado de alguns congressos a fim de promover a Visão 2025 – um projeto de tradução iniciado até o ano 2025 em todas as línguas que ainda necessitam de tradução.

Administração – Enquanto estamos na base da missão ALEM damos um apoio a administração do CTA – Centro de Treinamento da ALEM, no cuidado do veículos, da manutenção do local, na condução de pessoas e assistência na área de saúde.

Família

Nossa principal residência é em Brasília, assim temos podido dar todo apoio a nossos filhos em seus estudos. Déborah nossa filha mais velha, terminou no fim de 2015 seu curso na UnB, graduou-se em Letras – Português do Brasil como segunda língua. Déborah também dá aula no CLM, ela pretende ser missionária e tem buscado a vontade de Deus para saber aonde irá trabalhar. Nosso outro filho, Lukas, estuda Engenharia Automotiva na UnB e deverá concluir no final de 2016, ele também tem um chamado do Senhor para sua vida e pretende fazer um seminário. Somos muito gratos ao Senhor por esse tempo que temos tido para estarmos juntos nesse período na vida deles.

Pedidos de Oração

Pedimos que os irmãos nos acompanhem em oração.

  1. Pelas nossas viagens. Realizamos muitas viagens de carro e de barco, as vezes vamos os dois e a maioria das vezes o Pr. Oseas viaja sozinho. Orem para que a boa mão do Senhor nos acompanhe, que todo o mau seja repreendido e possamos chegar em segurança em nosso destino.
  1. Ukara e Vânia. É um jovem casal indígena que tem se dedicado ao Senhor, ela é formada em técnica em Enfermagem e ele é filho de uma das indígenas que tem se dedicado a tradução da Bíblia. Eles começaram um ensino bíblico para crianças na aldeia Ita’aka e eles mesmos pedem oração por sabedoria e direcionamento de Deus para realizarem o trabalho; E solicitaram ajuda em relação a conhecimento bíblico.
  1. Por nossos filhos. Que Deus os oriente nas decisões que têm que tomar.
  1. Pelo trabalho de tradução. Precisamos de inspiração do Senhor para cada versículo que iremos traduzir e travamos uma grande guerra espiritual sempre que sentamos para trabalharmos, há uma grande oposição do reino das trevas à tradução da Palavra de Deus. Pedimos que orem fervorosamente.
  1. Pelo contato com um grupo indígena não-alcançado. Próximo dia 17 estaremos indo pra Roraima visitar uma aldeia Ianomami depois iremos fazer uma viagem de reconhecimento a um grupo sem presença missionária. Orem por essa viagem.

Família Silva

Missionários em Benjamin Constant – AM

Os Missionários Abenildo e Elcineia começaram o trabalho de plantação de Igreja em Benjamin Constant em outubro de 2013.
Os cultos iniciaram em uma sala de aula e hoje já estão 280 membros entre congregações e Igreja local.
Atualmente a Igreja possui templo próprio e desenvolvem também cultos nos lares. A Igreja tem projetos sociais que visam o crescimento profissional e espiritual dos jovens. Além do trabalho pastoral, desenvolvem trabalhos missionários entre os índios, Peruanos, Colombianos e os Tikunas. O Pr. Abenildo é o presidente da nossa regional no Amazonas. Oremos pelo trabalho entre os peruanos, pela saúde dos Tikunas e pela sustentação financeira dos obreiros mantido pela IBI de Benjamin.

 Missionários em Guarani das Missões – RS

Os Missionários Nildo e Cristiane tem um filho e começaram o trabalho missionário em Guarani das Missões em setembro de 2015.
Encontraram o trabalho com 22 membros e atualmente são 27 membros ativos.
Atualmente a igreja possui um templo próprio.
O método de evangelismo adotado pela igreja é por meio dos grupos familiares e evangelização em escolas e lar para idosos.
O propósito do projeto é desenvolver uma igreja viva, saudável e atuante na sociedade.
Oremos por esse trabalho para que Deus der estratégias e sabedoria para continuarem avanço.
Wilton e Suzane Rocha - Itapetinga BA

Missionários em Itapetinga – BA

Os Missionários Wilton e Suzane tem dois filhos e começaram o trabalho missionário em Itapetinga no ano de 2012. Após três anos de muito trabalho a igreja já conta com 22 membros ativos e alguns visitantes.
O método adotado pelos missionários para alcançar a comunidade é por meio dos cultos nos lares e do discipulado.
O maior desafio enfrentado no momento é a aquisição de um terreno para a construção de um local próprio de culto.
Oremos para que Deus lhes conceda estratégias na proclamação do reino naquele município.

Luiz Neto e familia Macapa

Missionários em Macapá – AP

Deus agindo entre crianças e jovens

A Igreja Batista Independente em Macapá é um campo missionário da CRIBI-BC – Convenção das Igrejas Batistas Independentes do Brasil Central (DF, GO, MG, BA, TO, AP). Instalada às margens do Rio Amazonas, a comunidade fica em uma das muitas áreas de ressaca da cidade.
A desnutrição, falta de infraestrutura local, a baixa renda das famílias são fatores que despertaram o casal Luiz Neto e Liliane a atuar neste campo, coordenado por eles há quatro anos. Ele, baiano e ela, amapaense.

Ao chegarem ao campo, Luiz e Liliane acreditavam que o que tinham pesquisado a respeito de Macapá seria suficiente para realizarem o programado, mas foram surpreendidos. “Quando chegamos em Macapá, esperávamos outra realidade de igreja. O que encontramos foi um contexto de extrema vulnerabilidade social como abuso e exploração sexual, trabalho infantil, drogas entre outros males que assolam nossa sociedade. Assim, começamos a cuidar de crianças. No início eram apenas sete, mas o trabalho cresceu e alcançamos a marca de 83 crianças e adolescentes”, contaram.

Projetos
Atualmente ambos atuam diariamente na realização do Projeto Acolher, com três frentes: Brigada Mirim – um núcleo educativo semanal, e os Clube do IBInho e Mudança, atividades diversas aos sábados.

O ACOLHER tem como objetivo facilitar a inclusão socioambiental e difundir princípios cristãos para crianças, jovens e adolescentes que estejam em situação de vulnerabilidade social (familiar) e/ou risco pessoal, e sem expectativa de vida.

Em Macapá a área habitacional é em sua maioria casas em palafitas, falta acessibilidade, com escolas e postos de saúde distantes. Preocupados com o aumento do número da exploração sexual de crianças e adolescentes, acesso a drogas, e gravidez precoce, o projeto Acolher foi criado para oferecer informação, prevenção, através de oficinas de qualificação profissional, cursos diversos e palestras motivadores, investindo espiritualmente nas crianças e adolescentes atendidas, e suas famílias. O projeto tem apoio da FEPAS.

O trabalho é divido em etapas, de acordo com a idade, atendendo de 4 a 17 anos, e em horários distintos. As atividades práticas serão desenvolvidas durante todo o período letivo, objetivando uma completa integração aluno/Entidades Escolares/Famílias, de forma a atender as necessidades da comunidade, favorecendo a inclusão.
“Estamos ensinando para transformar vidas, trazendo perspectivas de vida, esperança de dias melhores e ensinando sobre direitos e deveres de cada cidadão”, disse Luiz.

Novidades
Os planos para 2017 já estão saindo do papel. De acordo com o coordenador, terá início uma escolinha de futebol no período da tarde, o ECA – Esporte Clube Acolher. E os projetos não param por ai! “Também realizamos o UMOJA em parceria com a comunidade onde já fizemos a primeira ação de arrumar as pontes de madeiras que estavam caídas, gerando uma enorme falta de acessibilidade.

A igreja é jovem, formada em sua maioria por adolescentes e jovens que tem crescido conosco. Ela possui hoje uma assistência de 40 pessoas semanais. Temos uma moça estudando no seminário e ano que vem queremos matricular mais duas pessoas. Estamos também formando uma liderança local”, disse. É o amor de Deus invadindo Macapá.

MISSIONÁRIOS PATOS – PB

Estamos no início de mais um ano nessa cidade no sertão paraibano. No Mês de setembro de 2016 fez dois anos em que juntamente com minha família viemos morar em Patos, como missionário para plantarmos uma igreja batista independente nessa cidade. A cidade de Patos no alto sertão paraibano, com população em torno de 110 mil habitantes, sendo sua população flutuante em torno de 150 mil habitantes. Já que possui um grande polo universitário e sua posição geográfica privilegiada, faz a interligação dos estados de Pernambuco, Ceará e Rio Grande do Norte ao sertão paraibano. Concorrendo assim muitos alunos desses estados vizinhos para Patos. Possui segundo o último censo em torno de 10% da população de Cristãos, subdivididos entre as denominações locais.

Começamos o trabalho fazendo estudo bíblico em alguns lares e logo passamos a realizar cultos em nossa casa, servindo como igreja.

Realizamos trabalho evangelístico e social com alguns jovens, dentre esses encontros desenvolvemos o projeto ofina do ECA, com parceria com a FEPAS.

Realizamos ainda nesse primeiro ano alguns eventos como: Palestra com casais, comemoração do dia das mães, um dos eventos de maior participação das mães dos jovens das reuniões; projeções de filmes, etc.

Com o grupo de pessoas mais alicerçadas, sentimos a necessidade de alugarmos um prédio, para maior expansão do trabalho. Diante das dificuldades de encontrarmos um local para alugarmos nas imediações aonde o Senhor nos tinha posto e também os aluguéis com alto custo, Colocamos os irmãos em oração, logo o Senhor nos abençoou com um prédio numa avenida próximo onde começamos o trabalho.

O próximo desafio é que o local necessitava de reforma e o dono não tinha como fazer a mesma. Oramos a Deus e conversamos com os irmãos, no sentido de propormos ao dono do imóvel de investirmos na reforma e descontarmos os valores correspondentes no aluguel. Tivemos o apoio de nossa convenção, CIBI-PB, e firmamos o contrato do aluguel.

Realizamos no início de dezembro de 2014 a formatura de um curso interligado a universidade da família. Ministério interdenominacional, voltado para edificação das famílias Cristã, evangelismo e discipulado, através de cursos pautados em princípios bíblicos. Os cursos em questão foram “Homem ao máximo”, só com homens, e sua versão feminina, “Mulher única”. Os mesmos tiveram duração de três meses. Por falta de espaço – na época ainda congregávamos em nossa residência – aplicamos os mesmos em uma escola particular da comunidade. Como facilitadores de cursos da U.D.F., pretendemos utilizarmos os mesmos como ferramenta de integração, evangelismo e discipulado para glória de Deus. A formatura foi coroada de êxito, através dos testemunhos dos participantes, convidados se motivaram a também participarem dos cursos da U.D.F. Temos a pretensão de o próximo curso da U.D.F. a ser oferecido ser o crown, que tem como objetivo trabalhar a gestão financeira no lar, ensinando às pessoas os princípios financeiros de Deus, levando-as a se submeterem ao senhorio de Cristo em todos os aspectos de suas vidas. Sendo este um curso muito eficiente e necessário, tanto à igreja, bem como, útil como ferramenta de evangelismo.

Terminamos o ano de 2015 louvando a Deus pelo que Ele tem nos proporcionado no nosso campo missionário. Somos gratos ao Senhor pela nossa convenção que tem sido um braço estendido nesse projeto missionário. Aos pastores: Eliéser Corrêa de Souza e Humberto Batista Damacena, Presidentes da CIBI nacional e CIBI-PB, respectivamente. Abraçamos e louvamos a Deus pela formação da nova diretoria da CIBI-PB, eleita na última assembleia geral em novembro de 2015 para o próximo biênio. Tendo o pastor Valdir Fernandes como presidente. Nossa secretaria de missões, tanto em Âmbito nacional como regional. Aos colegas membros da diretoria da nossa regional, CIBI-PB. A nossa amada igreja de onde nos originamos. Igreja Batista Betel de Campina Grande, na pessoa de seu amado Pastor Gilberto Abrantes, Presidente da UMBI seccional da Paraíba. Enfim, a todos que nosso Deus tem levantado para nos abençoar nesse labor.

Metas e projetos

Uma das maiores dificuldades que enfrentamos, ainda é criarmos meios de aproximação com a comunidade local. O sertanejo são pessoas ótimas de se lidar, porém, são muito desconfiados, portanto não é fácil estabelecer contatos mais próximos com intuito de se criar maior interação para o evangelismo. Ainda que, aos poucos Deus tem nos aberto portas nesse sentido e já temos certo grau de envolvimento com pessoas na cidade. Portanto, rogamos as orações dos amados no sentido de que o Senhor abençoe e nos habilite com estratégias para vencermos também este obstáculo. Daí, temos como metas os seguintes projetos:

  • Continuar desenvolvendo trabalho com jovens e adolescentes – Estudos, filmes, oficinas, dinâmicas, etc.
  • Criarmos através de parcerias trabalhos de âmbito social, abençoando e aproximando vidas a serem alcançadas por Cristo;
  • Continuar o trabalho de estudo nos lares;
  • Realizarmos o segundo encontro de jovens no sertão;
  • Climatizarmos a igreja;
  • Desenvolver trabalhos no campo de evangelismo, discipulado e preparo da liderança local. Como exemplo o desenvolvimento do projeto UMOJA.
  • Trabalharmos juntos para a aquisição de um terreno ou alugarmos um prédio melhor. É o desafio e uma necessidade para nós a questão de termos um espaço físico maior para o desenvolvimento de nossos projetos.
  • Implantarmos mais e mais o conceito de missões na nossa comunidade e a visão denominacional para um crescimento rico, maduro e sadio dos irmãos.

Membros e congregados no nosso campo:

21 membros ativos

 

Fotos :

MISSIONÁRIOS EM PETRÓPOLIS – RJ

Projeto Antioquia

…E sucedeu que todo um ano se reuniram naquela igreja, e ensinaram muita gente; e em Antioquia foram os discípulos, pela primeira vez, chamados cristãos. (At 11:26)
Após atuar em igrejas na região de Marabá, no Pará, pastor Hélio Dias Bastos (UMBI 1008) trouxe sua experiência para o campo missionário no Distrito de Pedro do Rio, em Petrópolis, Rio de Janeiro em maio de 2014. Dois anos depois, toda a família, esposa Luciana e as filhas Arielle e Lavínia, se mudou para o distrito, que tem hoje uma população estimada de 12 mil habitantes.
A atuação rompe as fronteiras do bairro de Vila Rica. Hoje pastor Hélio trabalha projeto de plantação de igreja em uma comunidade da cidade de Petrópolis, com pequenos grupos, fazendo visitas nos lares e interação com a comunidade, que atualmente sofre desacreditada no Evangelho, após muitos casos de escândalos no local.
“Além de evangelizar muitos não crentes, resgatar muitos irmãos afastados e abandonados pela igreja”, afirma.
A experiência o auxilia no combate, hoje é presidente da Convenção das Igrejas Batistas Independentes do Estado do Rio de Janeiro (CIBIERJ) e também Secretário de Missões, atua com treinamento, capacitação e liderança de evangelismos e missões na IBI Missão Socorro, também de adictos nas comunidades vizinhas, realizando interação com centros de recuperação de dependentes químicos passando por apoio aos pontos de pregação da igreja, professor de escola bíblica dominical para jovens, coordenador de extensão do STBI em Bangu, e por fim, professor da extensão do STBI.
E os projetos não param. Temos o objetivo de plantar uma igreja Batista Independente, buscando ser base intermediária para o envio de vocacionados às regiões menos alcançadas pelo Evangelho no estado do Rio de Janeiro, finalizou.

Missionários na Zona Leste de Manaus – AM

Os Missionários Domingos e Renata começaram o trabalho de plantação de Igreja na zona leste de Manaus em março de 2014.
A igreja surgiu através de discipulado com um novo convertido em seu escritório. Hoje a igreja tem 150 membros e o Senhor tem acrescentado.
Estão localizados na maior zona populacional da cidade de Manaus. As principais frentes do trabalho evangelístico são o teatro, a coreografia, o discipulado e o ensino da palavra. Oremos para que a eles consigam um templo próprio e pela implantação do projeto igreja em minha casa.
Fotos :

PROJETO MISSIONÁRIO – CONQUISTANDO O CARIRI

OBJETIVO GERAL

  • Compreender as questões socioculturais e religiosas do Sertão do Cariri, Implantar e emancipar o Campo Missionário em Juazeiro no Norte CE.

OBJETIVOS ESPECÍFICOS

  • Evangelizar, Discipular, Batizar e Consolidar pessoas.
  • Realizar movimentos evangelísticos através de atividades sócias- educativa em Escolas, CRAS, hotéis e praças como: palestras sobre os Estatuto da Criança e do Adolescente/ ECA, Estatuto do Idoso, Lei Maria da Penha, Palestras Preventivas de Drogas eventos artísticos (teatro, dança e banda musical);
  • Implantar uma base missionária em Juazeiro do Norte/CE

Durante esses sete anos no sertão do Ceará, buscou-se evangelizar por meio de relacionamentos e  através da arte e cultura, possibilitando assim o avanço missionária na região e a implantação do Campo. Atualmente temos 60 pessoas na igreja, onde 90% das vidas ganhamos, batizamos e consolidamos no evangelho. A existência do campo missionário de Juazeiro do Norte; justificam-se por ser uma região carente do evangelho, sua história imbuída nas raízes da idolatria ao Padre Cícero, as enormes Romarias que movimenta o comércio local se destacando as Romarias de Setembro de Nossa Senhora das Dores e a de novembro dia de Finados, fazendo parte do tripé da idolatria no Brasil Junto com a cidades de Belém (PA) e Aparecida (SP). Desse modo, a região possui apenas 5% de sua população são cristão evangélico, 2%  Crato e Barbalha 1%, essas  cidades  formam o triângulo CRAJUBA .

Embora seja uma cidade de duzentos e setenta mil habitantes, um pólo industrial de calçados, centros universitários particulares e públicos, ainda possui uma renda per capta abaixo do salário mínimo em relação, dificultando assim a emancipação financeira do campo. Assim, buscamos parcerias para dar continuidade na obra missionária realizada no Cariri, certos de que o Todo Poderoso suprirá todas as nossas necessidades.

Pr. Hugo e Angelica Oliveira